Centro Latino-Americano de Pesquisa Stanislavski - Stanislávski – Vida, Obra e Sistema por Elena Vássina

Stanislávski – Vida, Obra e Sistema por Elena Vássina

Stanislávski – Vida Obra e Sistema 

Por Elena Vássina

 

Entre o Brasil e a Rússia

Primeiramente, eu gostaria de agradecer esse convite muito especial para falar com vocês sobre Stanislávski, que eu amo de paixão, e falar em um lugar tão especial que é o Teatro Escola Macunaíma. Vocês não vão acreditar, mas eu conheci o Macunaíma em 1990, quando muitos de vocês ainda não tinham nascido. Eu vim pela primeira vez ao Brasil para um grande fórum cultural que foi realizado durante o Festival internacional de teatro em Londrina (FILO), e essa foi a primeira vez, no Brasil, que eu falei do teatro russo, de Stanislávski. E um homem muito simpático da plateia começou a me fazer perguntas e mais perguntas, era Nissim Castiel, o dono do Macunaíma. Depois eu fui convidada a passar alguns dias em São Paulo, em junho de 1990, e Nissim me convidou para assistir a um espetáculo dos alunos da escola, que eu não me esqueço até hoje. Era O Despertar da Primavera, de Frank Wedekind, e foi uma coisa fantástica, um espetáculo que ficou gravado na minha memória.

Eu me apaixonei pelo Macunaíma. Quando eu voltei para Moscou – ainda era União Soviética – eu me lembro de me pedirem para dar uma entrevista na rádio sobre teatro brasileiro, e uma das coisas muito marcantes e fortes era o Macunaíma, e eu falei muito sobre o espetáculo dos alunos. Desde então, me tornei amiga de Nissim Castiel e do Macunaíma. Sempre quando eu vinha, nos anos 1990, de Moscou para São Paulo, Nissim me convidava para conversar com os professores sobre Stanislávski e o teatro russo.

Eu tenho uma ligação bastante próxima com Stanislávski e até familiar. Meu tio avô trabalhou com Stanislávski no Primeiro Estúdio do Teatro de Arte de Moscou. Ele faleceu cedo, bastante jovem, e eu nunca o vi. Mas meu tio, filho daquele pedagogo e diretor do Primeiro Estúdio, conservou muitas amizades com alunos de Stanislávski e com os atores. Eu me lembro de que, quando eu era pequena, nós tínhamos grandes festas na família e, quando estavam os atores do Teatro de Arte de Moscou, sempre era muito divertido: veia artística, criativa, iluminava toda a festa, e isso ficou gravado

Stanislávski

profundamente na minha memória infantil, no meu inconsciente talvez. E também a minha vida estava muito ligada ao Teatro de Arte de Moscou, que foi fundado por Stanislávski, porque vários amigos da família trabalharam lá.

Isso faz parte obrigatória da formação da criança moscovita. Em Moscou, existem mais de cem companhias estáveis, os teatros de repertório, os municipais e os federais. Os elencos formados por atores (e eles são funcionários públicos!) são enormes, chegam a cem, cento e vinte pessoas. O teatro é uma parte muito importante da nossa formação e da nossa vida cultural. Os brasileiros que vão para lá cada vez mais para estudar teatro sempre ficam impressionados com esses grandes prédios teatrais que têm plateia para oitocentos ou até mil pessoas. Teatros dramáticos, superlotados, em que é quase impossível comprar as entradas. Eu sempre falo que Moscou é uma meca teatral. E isso nós devemos a Stanislávski, porque foi ele quem elevou a importância da arte teatral a um nível muito alto. O papel do teatro na sociedade russa é importantíssimo, é um formador de opinião pública e essa é, talvez, a especificidade da cultura russa.

Stanislávski: Vida e Obra

Mas eu queria falar de Stanislávski, porque esse ano eu escrevi um livro com meu amigo e parceiro Aimar Labaki, que se chama Stanislávski – Vida, Obra e Sistema, e nós ficamos muito felizes, pois o livro foi indicado à finalista do Prêmio Jabuti. Eu acho que essa foi a primeira vez que um livro sobre teatro foi escolhido como finalista. Nós escrevemos esse livro com muita paixão e, óbvio, fizemos imenso trabalho de pesquisa. Nele há muitos materiais inéditos, como arquivos e manuscritos de Stanislávski. Eu queria traduzir especialmente aquilo que é muito pouco conhecido no mundo sobre Stanislávski.

Falando de Stanislávski, eu posso dizer que esse homem, para mim, é uma personalidade extremamente talentosa, como Da Vinci, Michelangelo e outros. Um ator genial que começou a atuar ainda pequeno, com quatro anos de idade, no teatro da família. Depois, o pai de Stanislávski constrói, na casa de campo deles, um galpão especial para que todos os filhos pudessem exercitar atuação e apresentar durante as férias de verão. Além de ator, Stanislávski era encenador e, por exemplo, foi o primeiro a explorar a linguagem do simbolismo no teatro. Muitos acham que Stanislávski é apenas um teatro naturalista ou realista, não é nada disso, ele, como encenador, experimentou muitas linguagens completamente diferentes e várias formas de espetáculos. Stanislávski foi muito importante como diretor do teatro político, atuante e engajado no início do século XX. Ele experimentou também a linguagem grotesca e as formas da commedia dell’arte. Estava sempre em processo de desenvolvimento.

Além disso, Stanislávski era um genial pedagogo, e o que nós chamamos de Sistema é o resultado da sua experiência e prática pedagógica. Por que ele começou a pesquisar o Sistema? O que é o Sistema? Porque ele próprio, como ator, fazia a si mesmo uma grande pergunta, ele dizia assim: “Às vezes eu entro no palco, eu atuo e fico absolutamente feliz, pois sinto essa inspiração e tudo dá certo, fico feliz por estar vivendo a minha personagem no palco e eu nem preciso pensar, tudo me é dado neste momento. Mas muitas vezes eu atuo no mesmo papel e não tenho inspiração, eu fico congelado e infeliz.” E Stanislávski fez essa pergunta a si mesmo: “O que devo fazer cada vez que estou atuando em um espetáculo, quando estou entrando no palco, para ter essa inspiração e sentir essa felicidade?”

A partir disso começou a busca de Stanislávski. Bem no inicio do século XX, ele começa a pensar no Sistema e nos exercícios de preparação do ator. Foram as primeiras experiências, pois todas as outras artes tinham um sistema já desenvolvido e elaborado há séculos, técnicas para o iniciante aprender, que são suas bases. Apenas a arte dramática não tinha um sistema; cada escola tinha o seu sistema, a sua pedagogia. E Stanislávski começa a pesquisar psicólogos, fisiólogos e filósofos. Impressionante é essa sua garra em aprender o novo, estudou e pesquisou até o ultimo momento de sua vida.

O Sistema Stanislávski

O Sistema não é nenhuma gramática, nenhum manual de ator, ele indica uma direção para o ator. O Sistema é um processo, algo que tem que ser desenvolvido. Stanislávski trabalhou no Sistema até o ultimo momento da sua vida: um dia antes de falecer, como já não podia escrever por estar muito doente, ele ditava para sua enfermeira os textos do Sistema. Inclusive, os últimos escritos só foram liberados há pouco tempo pela herdeira, sua neta.

Sua pesquisa, o seu desenvolvimento e essa busca foram importantíssimos. Eu trouxe uma citação para vocês. Em seu aniversário de setenta anos, ele estava em sua casa, cheia de flores – todos mandavam flores para Stanislávski. Muitos vinham para dar parabéns, e chegou uma atriz que atuou com ele e lhe pediu um autógrafo. Ele pegou a sua fotografia e escreveu o seguinte: “Tive uma longa vida. Vi muito. Era rico. Depois fiquei pobre. Vi o mundo. Tive boa família, os filhos. A vida espalhou todos pelo mundo. Procurei fama. Encontrei. Tive honras, fui jovem. Envelheci. Em breve será preciso morrer. Agora me pergunte: em que consiste a felicidade nesta terra? Em conhecimento. Em arte e em trabalho, no conhecimento da arte. Descobrindo arte em si, descobre-se a natureza, a vida do mundo, o sentido da vida, descobre-se a alma-talento. Não existe felicidade maior de que esta. E o sucesso? Vaidade. Que chatice receber parabéns, responder cumprimentos, escrever cartas de agradecimento. Não. Melhor ficar em casa e observar como uma nova personagem vai se formando dentro de mim.”

Naquela época, 70 anos era uma idade muito avançada, mas Stanislávski diz que a felicidade consiste em conhecimento. E é verdade, ele foi muito rico antes da revolução, um dos homens mais ricos da Rússia, um empresário que tinha várias fábricas, mas ele era um empreendedor, um visionário fantástico. Primeiro ele foi à Europa estudar, quando voltou para Rússia, fundou uma fábrica que produzia cabos de borracha, que foi se desenvolvendo. Todo dinheiro que Stanislávski ganhava com suas empresas, suas fábricas, ele investia no Teatro de Arte de Moscou.

A fama chegou para Stanislávski quando ele ainda era muito jovem. Ele era um ator deslumbrante, e, em 1905, o Teatro de Arte de Moscou foi para sua primeira turnê na Europa. Stanislávski foi duas vezes para os Estados Unidos, algo que impressionou e deixou marcas muito importantes no cinema norte-americano. O cinema norte-americano tem atores maravilhosos que devem muito ao Sistema e aos alunos, professores, pedagogos que migraram para os Estados Unidos e lá trabalharam.

O Sistema não é uma invenção de Stanislávski e sim um descobrimento. Todos já devem ter ouvido falar de Mendeleev e do sistema periódico dos elementos químicos. Mendeleev, na segunda metade do século XIX, estudando os elementos que existem na natureza, descobriu esse sistema. Passaram muitos anos desde a sua morte, mas os elementos não mudaram, os novos elementos descobertos são inseridos neste sistema. Stanislávski é a mesma coisa. Ele descobriu o sistema – a natureza do ator, as leis básicas, como ele próprio dizia, da natureza de criação, como acontece o processo de criação do ator e como é possível treinar e agilizar esse processo.

Desde a morte de Stanislávski e ainda durante sua vida, muitos de seus discípulos acrescentaram seus elementos ao Sistema. Stanislávski gostava muito de dizer que as leis da arte são as leis da natureza. Ele, inclusive, fez desenho de um esquema de sistema que parece muito um organismo vivo. E o importante é que esse Sistema serve como base para o treinamento do ator e como base para o desenvolvimento do talento do ator. Eu vou citar uma discípula de Stanislávski, a pedagoga Maria Knebel, que trabalhou junto a ele em seus três últimos anos de vida. Ela diz assim: “Stanislávski se encontrava sempre em uma busca penosa. Duvidava. Negava. E nunca parava a sua busca.

Todos os seus descobrimentos na arte tinham como objetivo despertar em cada ator um Mozart e não educar nele o Salieri ¹.” Isso eu acho fantástico. Eu já trabalhei com vários educadores, diretores, pedagogos russos e eu vi quando esse “Mozart”, ou seja, esse talento criativo é despertado no ator. É como uma flor que nasce dentro do coração do ator, é uma coisa fantástica, muito linda.

O subconsciente e a Yoga

Mas para despertar esse “Mozart”, Stanislávski sempre dizia que o trabalho, a preparação do ator, é algo árduo e permanente. Primeiro que é necessário ter um domínio completo de seu corpo físico. Muitos acham que Stanislávski é apenas texto cênico, trabalho com texto, apenas teatro verbal, mas não é nada disso. A primeira etapa da aprendizagem do Sistema é o trabalho corporal, é aprender a ter o domínio do corpo, que ele chamava de um instrumento básico do ator. Nas escolas dramáticas da Rússia, os alunos de primeiro ano nem podem falar, eles apenas aprendem a expressividade do movimento corporal.

Mas através dessa preparação física, corporal, Stanislávski achava que podia chegar ao mais essencial que deve ser despertado no ator, o que às vezes ele chama de inconsciente e às vezes chama de subconsciente (naquela época ainda não havia definições psicanalíticas muito certas). Vou ler mais uma citação de Stanislávski, em que ele fala muito sobre esse estado criador. Ele diz: “O estado criador, assim como uma cidade litorânea, está bem na fronteira do infinito oceano do subconsciente. A cada momento, a criação pode mergulhar neste mar e, depois de novo, voltar à elevada consciência criativa. Resumo do Sistema: Subconsciente por meio do consciente”.

Stanislávski escreve muitíssimo sobre o inconsciente. Mas na época soviética, aconteceram várias coisas drásticas com Stanislávski. A censura soviética, a partir da segunda metade dos anos 1920, especialmente nos anos 1930, se torna cada vez mais e mais rígida. Ela elimina do dicionário de Stanislávski, do dicionário do Sistema, vários termos, e o primeiro riscado é inconsciente, porque a filosofia materialista (a única permitida na URSS) simplesmente não admitia que existia o inconsciente. Nessa abordagem, Stanislávski sofreu muita autocensura, porque ele tinha medo que os seus outros trabalhos não fossem publicados. Nas cartas que enviava a sua editora, nós encontramos várias passagens em que ele fala sobre o seu medo que o Sistema não chegasse a ser publicado. Outro termo do Sistema que foi proibido pela censura soviética e para o qual Stanislávski tinha que encontrar um equivalente era, por exemplo, Memória Afetiva, que ele trocou para Memória Emocional.

Outra coisa importantíssima do Sistema Stanislávski era a Yoga, considerada “uma fonte mística” na União Soviética, ela ficou proibida. Em seu Primeiro Estúdio do Teatro de Arte de Moscou, fundado em 1912, Stanislávski começa a estudar e fazer a preparação de muitos exercícios de Yoga. Várias “técnicas” do Sistema, exercícios de concentração, de irradiação da energia – o ator que não irradia energia no palco não consegue se comunicar com a plateia – vem da Yoga. Muitos termos vêm da Yoga e foram autocensurados, porque a Yoga também era censurada pela União Soviética. Para Stanislávski, por exemplo, na preparação do ator muito importantes eram os exercícios de concentração e meditação, que foram mal vistos pela União Soviética.

Acontece que os principais livros sobre o Sistema, os três primeiros livros, saíram na União Soviética já censurados e com grandes cortes. É importante também dizer que apenas o livro O Trabalho do Ator Sobre Si Mesmo², que sai alguns meses após sua morte, Stanislávski conseguiu ler e revisar até o final. O segundo livro é publicado em 1948, e, o terceiro em 1957. Nós russos conseguimos conhecer Stanislávski e o Sistema inteiro apenas a partir do final dos anos 1980, quando termina a censura soviética, e muitos manuscritos, anotações, diários e cadernos são liberados aos pesquisadores. Devido a isso, faz pouco tempo que saíram as obras completas de Stanislávski em russo, em que temos muitas coisas interessantes e inéditas que não chegaram a ser conhecidas nem no ocidente e nem na própria Rússia. O Sistema Stanislávski foi transmitido pelos seus discípulos e não pelos seus textos.

A história das traduções de Stanislávski em outras línguas é super trágica, pois foram traduzidas do inglês. Stanislávski vendeu todos os direitos autorais a uma editora norte-americana, porque seu filho estava doente, e ele precisava muito de dinheiro. A partir daí, em 1930, todas as obras de Stanislávski poderiam ser traduzidas somente do inglês, e a tradutora e a editora cortaram vários pedaços das obras, editaram do seu jeito partes inteiras do Sistema. Diziam que estava muito complicado e os atores norte-americanos não iriam entender, e Stanislávski dava carta branca para fazer cortes e mudanças.

Portanto, é importante saber que até o final do século XX todas as publicações das obras de Stanislávski ou foram censuradas (na URSS) ou foram americanizadas nas traduções indiretas fora da URSS. Por isso, do final do século passado para cá, eu vejo esse interesse imenso de diferentes escolas teatrais no mundo inteiro em redescobrir, reler e reaprender Stanislávski. Em 2013, no Teatro de Arte de Moscou, foi realizado um grande congresso em ocasião dos 150 anos do nascimento de Stanislávski. O mais surpreendente é que chegaram muitos encenadores, atores, pedagogos teatrais do mundo inteiro e todos falavam como a aprendizagem do Sistema era importante em suas formações. Muitos russos nem imaginavam essa repercussão de Stanislávski no mundo inteiro.

O Método das Ações Físicas

Para terminar, eu queria falar apenas algumas palavras sobre o último período do trabalho de Stanislávski, que é muito pouco conhecido. É quando ele funda, um pouco antes de morrer, o Estúdio de Ópera e Arte Dramática, em 1935. Nesse Estúdio, nos seus últimos três anos de vida, ele experimenta muito, e eu vejo esse experimento como uma síntese de toda a busca do Sistema. A base desse experimento foi o Método das Ações Físicas ou, como o próprio Mestre o chamou, “um novo método de ensaios”. Stanislávski trabalha com os alunos de tal forma que, nos ensaios, nada seja decorado, nada seja fixado. Para que o ator, entrando no palco para atuar, cada vez criasse uma nova partitura do papel, cada vez a atuação fosse baseada na improvisação.

Ele fazia experiências completamente malucas com os alunos. Por exemplo, uma vez os alunos estavam preparando uma mostra de algumas cenas do primeiro ato de As Três Irmãs. Tudo estava preparado em uma sala, já estava separada uma grande e linda cadeira para Stanislávski, os atores estavam muito nervosos, já estavam marcadas todas as mis en scènes, onde estaria a mesa, o piano e etc. Stanislávski entra e, de repente, diz para mudarem tudo e começarem a improvisar.

Essa palavra improvisação é como uma virtuosidade, é necessário aprender muito bem a técnica, a base do Sistema para conseguir vivenciar a cena, o personagem. O ator nunca repete nada, ele cada vez improvisa, ou seja, cada vez vivencia de novo seu papel e, por isso, acontece a magia, o encanto. Quando o inconsciente do ator se abre, se vê a organicidade e não a repetição das mesmas cenas ensaiadas. Stanislávski dizia que as leis da criação são leis da natureza. O Sistema de Stanislávski é uma cultura inteira, e antes de mais nada, ela se dirige ao infinito aperfeiçoamento do ser humano, que significa para a arte o aperfeiçoamento do ator, a ampliação de sua experiência espiritual e emocional, o conhecimento do outro, seu parceiro, da outra personagem, como a si mesmo. O objetivo do Sistema não é apenas aperfeiçoamento do ator, mas o aperfeiçoamento do próprio ser humano.

 

1. Antonio Salieri (1750 – 1825) foi um compositor operístico italiano. A lenda sobre seu relacionamento com Wolfgang Amadeus Mozart, com quem convivei em Viena, foi criada pela peça de teatro de Peter Shaffer, adaptada para o cinema sob direção de Milos Forman, com o título Amadeus. O filme, de 1984, retrata um Saliere invejoso do gênio de Mozart, ao mesmo tempo um profundo admirador de sua obra e possuidor de um grande talento musical.

2. O equivalente à versão em português de A Preparação do Ator, publicado no Brasil pela editora Civilização Brasileira.

 

Elena Vássina é professora do Curso das Letras Russas da Faculdade de Filosofia, Letras Ciências Humanas da Universidade de São Paulo e autora, juntamente com Aimar Labaki, da obra Stanislávski – Vida, Obra e Sistema, publicada pela Funarte em 2016, que traz, pela primeira vez no Brasil, os escritos do mestre russo em tradução direta do russo. No dia 28 de outubro de 2016, ela esteve presente em um dos encontros do Café Teatral organizado pela professora Marcia Azevedo, para o lançamento oficial do livro no Macu. Segue abaixo parte de sua fala, transcrita e editada para esta publicação.

 

Transcrição de Nathalia Gabriela, pré-edição de Kleber Danoli e edição final de Roberta Carbone.